quinta-feira, 16 de abril de 2015

Mãe e Pai é diferente de Genitora e Genitor

Há alguns dias tive a oportunidade de explicar para os meus filhos a diferença entre mãe e genitora / pai e genitor. Eu nunca tinha explicado isso antes tão diretamente porque nunca "abriram" para isso e eu  não podia ser invasiva a tal ponto de falar sobre algo que não quisessem ouvir, ou que talvez nem soubessem que poderiam ouvir.

Numa conversa informal, com alguém que não é do nosso convívio, a pessoa segredou-nos com certo constrangimento que uma de seus três filhos era adotada. Assim que a pessoa ausentou-se meus filhos começaram a fazer um monte de perguntas sobre o comportamento daquela pessoa e sobre o tema da adoção, assunto do qual conversamos abertamente e quase sempre sem constrangimentos.

O meu filho mais novo começou com um monte de falas onde ele usava a palavra PAI e MÃE para se referir a 4 pessoas diferentes e eu percebi que ele foi ficando muito confuso ao ponto de não conseguir mais organizar suas idéias e dizer o que ele realmente queria dizer, então eu achei que deveria tentar explicar uma coisa:

- Filho, pai e mãe é quem cuida, ama, dá carinho, educação, bronca. É quem levanta de madrugada pra cuidar do filho doente, é quem se preocupa com o que vai levar de lanche pra escola, é quem coloca pra dormir, quem ajuda a fazer boas escolhas... Sabe como chama quem só faz o filho e depois não cuida? Chama genitor. A mulher que carrega um filho na barriga e depois não ama, não cuida, não educa, não ajuda... essa mulher chama genitora.

Eu não quis dizer com isso que a genitora deles não tenha sido mãe ou que o genitor não tenha sido pai. Acho que isso é algo que eles é que vão ter que definir internamente significando conforme as lembranças que tiverem (embora eu tenha minha opinião sobre isso), mas agora eles já sabem a diferença até para poderem dar o significado que mais lhes fizer sentido.

Agora você também já sabe a diferença, então quando conhecer alguém que é adotado ou que tenha adotado evite questionar sobre a "mãe verdadeira" referindo-se a genitora. Não existe mãe de mentira. Mãe é Mãe.

Resposta do Diego após minha "explicação":
- Mãe, mesmo quando eu casar e for morar em outra casa e você for bem velhinha você vai continuar sendo minha mãe! (Isso foi uma afirmação)
- Vou sim. Pra sempre! Mãe é pra sempre!
- Mesmo que você morrer vai continuar sendo minha mãe! (Outra afirmação)
- Mesmo que eu morrer!

Eu sei que na "cabecinha" deles tudo deve ficar muito confuso. Deve ser difícil entender porque a vida deles é diferente da dos outros, porque a genitora também não pode ser a mãe ou a mãe a genitora... enfim...

Me conforta saber que (por ora) ele tem certeza do meu amor por toda a vida.

Filhos, amo vocês!!!
Fonte: Blog Descobrindo a Maternagem

Luíza Gomes